Acupuntura sem segredos: tratamento natural, milenar e científico


RESUMO:
O presente artigo apresenta um sistema de perguntas e repostas sobre a Acupuntura, apontando dados sobre a visão tradicional e científica, efeitos colaterais, contra-indicações, dados sobre dor, transmissão de doenças, doenças tratáveis e, por fim, divulga uma “vinheta clínica” de um caso de uso da Acupuntura para tratamento de um “episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos” (CID – F32.2) em comorbidade com “ansiedade generalizada” (CID F41.1); o tratamento foi avaliado com teste psicológicos validados pelo “Conselho Federal de Psicologia” (CFP). Ao final, concluímos que a Acupuntura é uma terapêutica eficaz, rápida e segura no tratamento de ansiedade, depressão, estresse psíquico, desejo de morte, desconfiança no próprio desempenho, distúrbios do sono, distúrbios psicossomáticos e, desse modo, mostra-se uma “estratégia clínica” muito potente na promoção da “Saúde Geral”.
Acupuntura sem segredos: tratamento natural, milenar & científico
A Acupuntura é uma terapêutica milenar que faz a prevenção, tratamento e cura de patologias através da inserção de finíssimas agulhas de ouro, prata ou aço inoxidável em determinadas regiões do corpo chamadas de “pontos de acupuntura”. Os seus excelentes resultados são reconhecidos pela Organização Mundial da Saúde (WHO, 2002) e por pesquisas científicas (Allen et al, 1998).
A Acupuntura estimula as fibras sensitivas do Sistema Nervoso Periférico (SNP) fazendo com que ocorra uma transmissão elétrica via neurônios para produzir alterações no Sistema Nervoso Central (SNC), o qual libera substâncias (ex.: cortisol, endorfinas, dopamina, noradrenalina, serotonina) que promovem bem-estar, prevenção e tratamento de doenças, sejam elas psicológicas, biológicas e/ou comportamentais.
Há evidências de que a Acupuntura pode substituir o uso de remédios (sendo mais efetiva, rápida, duradoura, sem dependência, sem efeitos colaterais importantes, com menor custo financeiro ao paciente e ao sistema de saúde pública).
O uso da tomografia computadorizada (TC), da tomografia por emissão de pósitrons (PET), da imagem de ressonância magnética (MRI) e da imagem de ressonância magnética funcional (fMRI) apontam que a Acupuntura é eficaz (Cho et al, 2005).

QUESTÕES SOBRE ACUPUNTURA:
1) Efeitos colaterais?
Logo após a Acupuntura, alguns pacientes relatam sonolência e uma sensação de relaxamento muito grande e isso, que para a grande maioria é uma qualidade, para outros pode ser ruim, principalmente para os que precisam executar atividade que exija grande atenção (ex.: pilotar avião).
2) Contra-indicações?
A) pessoa com fobia de agulha (nesse caso pode ser utilizado outro estímulo, como por exemplo, laser); B) febre muito alta; C) esgotamento físico; D) estado de embriaguez; E) distúrbios psicológicos graves (ex.: surto psicótico); F) jejum ou grave desnutrição; G) problemas de sangramento (ex.: hemofilia, uso de anticoagulantes); H) situações de emergência (ex.: fratura do crânio); I) indicação de intervenção cirúrgica (ex.: ataque cardíaco).
3) Sempre há dor?
Não. Os pacientes relatam várias sensações, como, por exemplo, “calor”, “peso”, “distensão”, “choque”, “leve dor”, “formigamento”. O importante é que todas essas sensações passam em menos de 05 segundos após a inserção da agulha.
 
4) As agulhas transmitem doenças?
Não. Todas as agulhas são: 1) descartáveis; 2) esterilizadas; 3) de uso único. Além disso, antes de inserir as agulhas, o acupunturista faz a higienização: 1) de suas mãos e 2) do local de inserção das agulhas.
5) Doenças tratáveis?
A “Organização Mundial de Saúde” (WHO, 2002) publicou um documento que divulgou os resultados científicos da Acupuntura em comparação com o tratamento convencional (remédio) para 147 doenças. Cito alguns desses achados:

  • Acne – Desapareceu em 59% dos casos após 10 dias de tratamento.
  • Álcool – Diminui a necessidade de ingerir álcool.
  • Ansiedade – Eficácia superior à medicação convencional (mas sem efeitos colaterais).
  • Arteriosclerose – Aumento da memória, da inteligência e da capacidade de cuidar de si mesmo em 68% dos casos.
  • Asma – Efeito antiasmático em 93% dos casos e maior ventilação pulmonar em 68%.
  • Ataque súbito de surdez – Eficácia em 90% dos casos após 2 semanas.
  • AVC (seqüela) – Dificuldade de articular palavras. Eficácia em 90% dos casos.
  • Cirurgia cerebral – Cura dos sintomas pós-operatórios em 86% dos casos.
  • Cocaína – Diminuição dos sintomas da abstinência em 44% dos casos.
  • Cólica estomacal e intestinal – Alívio da dor em 98% dos casos.
  • Cólon irritado – Melhora significativa em 93% dos casos.
  • Convalescença – Efeito analgésico superior e mais rápido que a medicação convencional no pós-operatório.
  • Depressão – Eficácia similar à medicação convencional (mas sem efeitos colaterais).
  • Desintoxicação de álcool – Redução do álcool no sangue.
  • Desintoxicação de tabaco – Redução da concentração de nicotina.
  • Dor de cabeça – Alívio imediato em 80% dos casos.
  • Dor lombar – Eficácia em 72% dos casos (superior à medicação convencional).
  • Dor menstrual – Melhora em 91% dos casos.
  • Dor nos olhos – Eliminação da dor em 90% dos casos.
  • Ejaculação precoce – Eficácia em 83% dos casos.
  • Enxaqueca – Eficácia em 80% dos casos.
  • Esquizofrenia – Eficácia superior à da medicação convencional (78% dos casos).
  • Excesso de gordura no sangue – Diminuição em 90% dos casos.
  • Heroína – Diminuição dos sintomas da abstinência (anorexia, suor espontâneo e insônia) e redução da freqüência do uso.
  • Hiperacidez no estômago – Eficácia em 95% dos casos.
  • Hipertensão – Eficácia similar à medicação convencional (mas sem efeitos colaterais).
  • Hipotensão – A pressão foi normalizada em 95% dos casos.
  • Lactação deficiente – Aumento da lactação em 92% dos casos.
  • Impotência sexual (não orgânica) – Eficácia em 60% dos casos.
  • Infecção urinária recorrente – Desobstrução do trato urinário em 85% dos casos.
  • Infertilidade – Eficácia em 75% dos casos.
  • Inflamação na próstata – Alívio dos sintomas e melhora das funções sexuais superior à medicação convencional.
  • Insônia – O sono foi totalmente normalizado em 98% dos casos.
  • Obesidade – Supressão do apetite em 95% dos casos.
  • Policisto no ovário – Cura obtida em 94% dos casos.
  • Reações à radioterapia e/ou quimioterapia – Náuseas, vômitos e falta de apetite foram eliminadas em 93% dos casos.
  • Rinite alérgica – Eficácia em 97% dos casos (superior e mais duradoura que a medicação convencional).
  • Retardo mental – Aumento de 21% no QI (inteligência) e de 18% na adaptação social.
  • Síndrome do estresse competitivo – Eficácia em 93% dos casos.
  • Tabaco – Diminuição da vontade de fumar em 13% dos casos. Redução no hábito de fumar em 20% dos casos. Redução no prazer de fumar em 70% dos casos.
  • Tontura – Eficácia em 75% dos casos.
  • TPM – Alívio completo dos sintomas, sem recorrência por 6 meses, em 92% dos casos.
  • Úlcera – Eficácia em 97% dos casos.

VINHETA CLÍNICA:

  • Paciente: Isabel Silva (nome fictício), 47 anos, separada, mora com 02 filhos.
  • Diagnóstico Ocidental: Episódio depressivo grave sem sintomas psicóticos (CID – F32.2) e ansiedade generalizada (CID F41.1).
  • Diagnóstico Oriental: “Deficiência do Qi do Fei” e “Deficiência do Xue do Gan”.
  • Modelo de Acupuntura: MTC (c/Deqi).
  • Intervenção: Semanal, total de 10 sessões.
  • Tipo de agulha: sistêmica, descartáveis, tamanho 0,25 X 25mm.
  • Sedação: retenção de 20 min., manipulação vigorosa.
  • Tonificação: retenção de 10 min. manipulação suave.
  • Pontos: Tonificação de P9, P7, VC6, E36, Bp6, B13, VG12, VG4. Sedação de Yin-Tang, VC17, VB34, F3.
  • Manifestações clínicas: depressão, ansiedade, anemia, dor temporal, dispnéia, voz fraca, asma, constipação, pulso Vazio, língua pálida, suor e frio nas mãos e pés, gripes, cansaço, cabelos fracos, visão turva, “formigamento vaginal”, insônia, debilidade muscular, unhas quebradiças, memória fraca, cervicalgia, dor nas mãos.

Antes de fazer 10 sessões de Acupuntura  a paciente apresentava as seguintes alterações:
A) “Questionário de Saúde Geral” (QSG) – alterações patológicas em todos os fatores: 1. Stresse Psíquico; 2. Desejo de Morte; 3. Desconfiança no próprio desempenho; 4. Distúrbios do sono; 5. Distúrbios psicossomáticos e Saúde Geral;
B) “Inventário Beck de Ansiedade” (BAI) – mostrava ansiedade grave (BAI=39);
C) “Inventário Beck de Depressão” (BDI) – indicava depressão grave (BDI=34);
D) “Teste de Aferição do Desconforto” (TAD) – apontou um “desconforto geral” em nível “insuportável” (TAD=32).
Após 02 meses de tratamento com Acupuntura, na segunda avaliação, a paciente não apresentou mais nenhuma alteração patológica, comprovada pelo teste “QSG”. O “BAI” indicou uma ansiedade normal (BAI=06) e o “BDI” indicou “sem depressão” (BDI=00). O “Teste de Aferição do Desconforto” (TAD) apontou uma melhora geral no desconforto de 87,5% (TAD=04) e cura (100%) da dor temporal, dor nas mãos, cervicalgia, constipação, “formigamento vaginal” e insônia. Após o tratamento, Isabel se sentiu tão bem que, depois de mais de 30 anos sem estudar, resolveu começar o seu primeiro curso superior.
A Acupuntura utilizada em Isabel foi uma estratégia eficaz, rápida e segura no seu tratamento de ansiedade, depressão, estresse psíquico, desejo de morte, desconfiança no próprio desempenho, distúrbios do sono, distúrbios psicossomáticos e se mostra como uma estratégia clínica muito potente na promoção da “Saúde Geral”, conforme testes validados pelo conselho Federal de Psicologia (CFP) do Brasil. Já o questionário que criei, “Teste de Aferição do Desconforto” (TAD), apontou uma melhora geral no seu desconforto e cura de vários transtornos.
Estou em pleno desenvolvimento de novas pesquisas científicas e monografias, com um número considerável de pacientes, para testar a abrangência dos resultados, medidos por vários tipos de testes.
A Acupuntura é uma excelente terapêutica integral que atua diretamente em níveis complexos do funcionamento do ser vivo (psicológico, comportamental, biológico). A nossa “ciência ocidental” vem corroborando o que a “tradição oriental” já sabia: A Acupuntura, quando bem administrada, é: 1) terapêutica; 2) preventiva; 3) segura; 4) rápida; 5) eficaz; 6) com efeito duradouro e 7) de baixo custo financeiro.
BIBLIOGRAFIA

  • ALLEN, JJB; SCHNYER RN; HITT, SK. (1998). The efficacy of acupuncture in the treatment of major depression in women. Psichol Sci 9:397-401.
  • CHO, Z.H.; Na, CS; WANG, EK; LEE, SH; HONG, IK. (2005). Imagem de ressonância magnética funcional do cérebro na investigação da Acupuntura. STUX, Gabriel.; HAMMERCHLAG, Richard. Acupuntura Clínica: Bases científicas. São Paulo: Manole. 93-106p.
  • WORLD HEALTH ORGANIZATION [WHO] (2002). Acupuncture: Review and analysis of reports on controlled clinical trials, WHO Geneva, (35 Swiss Francs).

]
Envie suas críticas,  dúvidas e sugestões clicando aqui.
Se essa informação lhe ajudou de alguma forma, escreva o seu comentário e compartilhe nas redes sociais. Assim, criaremos e promoveremos conhecimento.
(mais…)

Acupuntura e dor de cabeça

A dor de cabeça, ou cefaléia, é um transtorno que acomete grande parte da população mundial.

Para se ter uma ideia dos números, a dor de cabeça do tipo tensional (gerada pelo excesso de contração dos músculos) causa sofrimento entre 65 a 87% da população, começando entre os 20 e 50 anos, atacando mais mulheres que homens.
A cefaléia é entendida como a sensação dolorosa sobre a cabeça, o pescoço e/ou ainda sobre a face. Existem muitos tipos de dores de cabeça (mais de 150). Podemos dividir as cefaléias em dois grupos:

  • Cefaléias primárias – geradas por alterações da química cerebral.
  • Cefaléias secundárias – causadas por patologias (exemplo: tumores, auneurisma, doença nos olhos, ouvidos, garganta, etc.).

São vários os possíveis geradores das dores de cabeça (além das patologias cerebrais), como, por exemplo: estresse, cansaço, menstruação (TPM), alimentos, álcool, alterações climáticas, excesso de luz, cheiros fortes, remédios inadequados, etc.
Ao sentir dor de cabeça, antes de mais nada, procure ajuda de um profissional da saúde que seja especialista no funcionamento cerebral e faça todos os exames necessários.
Se não for encontrada nenhuma alteração estrutural (patológica) e, mesmo assim, a dor de cabeça continuar, talvez seja momento oportuno de tentar outros recursos, como por exemplo: mudar alguns hábitos de vida, praticar Yoga, natação, alongamento, fazer Psicoterapia, Acupuntura, etc.
A Acupuntura é uma terapêutica que existe há mais de 5 mil anos. É utilizada por alguns profissionais da saúde (fisioterapeutas, enfermeiros, psicólogos, etc.). Ela busca a promoção da saúde e bem-estar através da inserção de finíssimas agulhas especiais (de ouro, prata ou aço inoxidável) em determinadas regiões do corpo chamadas de “acupontos”. Também existem tratamentos sem agulha (calor, sementes, pressão). A Acupuntura é uma excelente estratégia preventiva para inúmeras alterações, além de ser uma terapêutica rápida e eficaz. Essa prática promove o equilíbrio físico, mental e energético.
Conforme a lista de pesquisas científicas reunidas e divulgadas pela “Organização Mundial da Saúde” (OMS), publicada no documento “Acupuncture: Review and analysis of reports on controlled clinical trials”, a Acupuntura é eficaz para tratar várias desordens, entre elas destaco as “afecções da cabeça”.
AFECÇÕES DA CABEÇA:

Dor de cabeça Acupuntura: alívio imediato em 66% dos casos.Eletro-acupuntura: alívio imediato em 80% dos casos. Diminuição da freqüência em 50% dos casos. Alteração significativa no exame de eletromiografia.
Dor crânio-mandibular Acupuntura tradicional: eficácia similar ao tratamento convencional (imobilização). Acupuntura intradermica: eficácia em 60% dos casos.
Disfunção da articulação temporo-mandibular (ATM) Eficácia similar ao tratamento convencional.
Espasmo facial Eficácia em 70% dos casos

Assim, conforme a “Organização Mundial da Saúde”, podemos dizer que a Acupuntura é um excelente recurso terapêutico (não medicamentoso) para o tratamento da dor de cabeça, com resultados que variam de 50 a 80% de eficácia.
Ao sentir dores de cabeça procure ajuda de um profissional da saúde. Faça os exames solicitados e não se medique sem a correta orientação.
Lembre, a dor de cabeça pode ser tratada de várias formas, inclusive (em alguns casos) sem o uso de remédios.
(mais…)

Acupuntura: tratamento rápido e eficaz

A Acupuntura é uma prática terapêutica que existe há mais de 5 mil anos e que busca a promoção da saúde e bem-estar do paciente através da inserção  de finíssimas agulhas especiais (esterilizadas, descartáveis, de uso único) em determinadas regiões do corpo (sem usar remédios). É uma excelente estratégia preventiva para inúmeras patologias, além de ser uma terapêutica rápida e eficaz no tratamento de doenças (psicológicas, biológicas, comportamentais). Essa prática busca o equilíbrio físico, mental e energético do paciente.
A eficácia da Acupuntura é reconhecida pelo Ministério da Saúde do Brasil (Portaria 971/2006), pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e pelos Conselhos Federais de Fisioterapia (Resolução 060/85), Biomedicina (Resolução 002/86), Enfermagem (Resolução 197/97), Farmácia (Resolução 353/00) Terapia Ocupacional (Resolução 221/01), Fonoaudiologia (Resolução 272/01), Psicologia (Resolução 005/02), Educação Física (Resolução 069/03), entre outros.
Nessa terapêutica há também a utilização de estímulos não invasivos (sem agulhas), como por exemplo: uso de eletricidade, laser, calor, pressão, massagem, ímã, semente, esparadrapo. Esses métodos estão ganhando gradualmente mais espaço nessa atividade terapêutica.
Conforme a “Organização Mundial da Saúde” a Acupuntura é eficácia para tratar várias patologias, entre elas destaco:
• Álcool – Diminui a necessidade de ingerir álcool.
• Ansiedade – Eficácia superior à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais.
• Asma – Efeito antiasmático em 93% dos casos e maior ventilação pulmonar em 68%.
• AVC (seqüela): dificuldade de articular palavras. Eficácia em 90% dos casos.
• Cirurgia cerebral – Cura dos sintomas pós-operatórios em 86% dos casos.
• Cocaína – Diminuição dos sintomas da abstinência em 44% dos casos.
• Cólon irritado – Melhora significativa em 93% dos casos.
• Convalência – Efeito analgésico superior e mais rápido que a medicação convencional no pós-operatório.
• Depressão – Eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais.
• Desintoxicação de álcool – Redução do álcool no sangue.
• Desintoxicação de tabaco – Redução da concentração de nicotina.
• Dor de cabeça – Alívio imediato em 80% dos casos.
• Dor menstrual – Melhora em 91% dos casos.
• Ejaculação precoce – Eficácia em 83% dos casos.
• Enxaqueca – Eficácia em 80% dos casos.
• Esquizofrenia – Eficácia superior à da medicação convencional (78% dos casos).
• Heroína – Diminuição dos sintomas da abstinência (anorexia, suor espontâneo e insônia) e redução da freqüência do uso de heroína.
• Hiperacidez no estômago – Eficácia em 95% dos casos.
• Hipertensão – Eficácia similar à medicação convencional, mas sem efeitos colaterais.
• Hipotensão – A pressão foi normalizada em 95% dos casos.
• Impotência sexual (não orgânica) – Eficácia em 60% dos casos.
• Insônia – O sono foi totalmente normalizado em 98% dos casos.
• Obesidade – Supressão do apetite em 95% dos casos.
• Policisto no ovário – Cura obtida em 94% dos casos.
• Reações adversas ao tratamento de radioterapia e/ou quimioterapia – Náuseas, vômitos e falta de apetite foram eliminadas em 93% dos casos.
• Retardo mental – Aumento de 21% no QI e de 18% na adaptação social.
• Síndrome do estresse competitivo – Eficácia em 93% dos casos
• Tabaco – Diminuição da vontade de fumar em 13% dos casos. Redução no hábito de fumar em 20% dos casos. Redução no prazer de fumar em 70% dos casos.
• TPM – Alívio completo dos sintomas, sem recorrência por 6 meses, em 92% dos casos.
Mas tudo isso (grande grau de eficácia da Acupuntura) não é o tipo de “mídia” que interessa às grandes corporações da área da saúde (ex.: indústrias farmacêutica)… por isso, esses dados não são divulgados nos grandes meios de comunicação… a ignorância do povo gera lucro (para alguns).
(mais…)

Você acredita que isolamento cura doença psicológica?

Infelizmente, a internação em manicômios (os “famosos” hospícios) ainda é pensada como a primeira solução viável para determinados quadros de alteração psicológica (ex.: esquizofrenia paranóide), apesar das várias críticas publicadas em artigos científicos, lutas sociais por extinção e das leis nacionais e internacionais que falam da sua inadequação.
Há mais de quatro décadas temos alternativas importantes que podem auxiliar no processo terapêutico das alterações psicológicas, sem o uso dessa estratégia tão radical e geradora de estigma.
Além do uso da Psicoterapia (tratamento pela fala), da Psicofarmacologia (tratamento pela ingestão de remédios), da Acupuntura (tratamento por uso de estímulos sobre a pele), também temos várias outras formas importantes de promover saúde, como por exemplo, o uso do Acompanhamento Terapêutico (AT).
O AT é uma prática utilizada desde a década de 1960 em vários locais (EUA, Itália, Brasil, Argentina, Chile, etc.). Essa modalidade de tratamento usa o espaço de circulação do próprio paciente (rua, casa, escola, shopping, praças, etc.) para realizar: promoção da autonomia, do espaço de circulação, da capacidade criativa, da ressocialização, do processo de reflexão sobre si e os outros, da capacidade de higiene de si e do lar, da retomada do processo educacional, etc.
De forma geral, o Acompanhamento Terapêutico, no seu viés clínico, é utilizado de 2 a 3 vezes por semana, com saídas programas, com duração que varia de 1 a 3h. Essas “saídas programadas” são acompanhadas por profissional qualificado (geralmente formandos na área da saúde, com curso de capacitação na modalidade de Acompanhamento Terapêutico).
Muitos acompanhantes e pacientes dão relatos interessantes que vão no sentido de divulgar que os benefícios do Acompanhamento Terapêutico são sentidos desde a primeira sessão (aumento da auto-estima, da esperança, da criação de novos vínculos, etc.).
Assim, antes de pensar que “manicômio é a única solução”, leve em conta que o seu familiar/amigo pode contar com uma série de tratamentos mais eficazes, com resultados mais rápidos e com menos estigma que a clássica clausura da “casas dos loucos”.
Ou… você ainda acredita que a internação (isolamento) cura a doença psicológica?
(mais…)